Milho safrinha: o que é? Por que se usa esse nome?

Este cultivo está crescendo cada vez mais. Saiba porque o nome milho safrinha não é mais adequado 

Já ouviu falar em milho safrinha? Essa designação faz referência ao período do plantio de milho. Saiba tudo sobre (e porque esse nome não é mais correto!). 

O que é o milho safrinha? 

O milho safrinha é o milho da segunda safra, ou seja, o milho que é plantado depois da safra principal, sendo uma agricultura de sequeiro (plantação em solo seco). 

O plantio de milho na primeira safra, no Norte e Nordeste, é feito entre março e abril. Nas demais regiões, entre setembro e novembro. 

A segunda safra, ou safrinha, é plantada no NE e Novembro entre fevereiro e junho. Nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o período vai de janeiro a abril. 

Por que safrinha? 

O nome “safrinha” vem da ideia de que o milho de segunda safra gerava menor produtividade do que o milho da primeira safra. (não é uma regra) 

Esse cultivo sempre foi tratado como de alto risco, além de não ter tecnologia implantada, justamente pela característica de plantio em solo seco. 

Com o passar dos anos, no entanto, esse cenário mudou. 

Safrinha não: segunda safra 

Desde as safras de 2011/2012, o milho safrinha ocupa maior área plantada do que o milho da primeira safra no nosso país, segundo dados do CONAB. 

Isso se deve principalmente a dois fatores: a soja e os avanços tecnológicos na agricultura. 

Milho safrinha e soja 

Da década de 90 para cá, a soja começou a se tornar uma cultura mais rentável economicamente para o verão, ou seja, para o período da safra. 

Dessa forma, o milho acabou sendo “empurrado” para a segunda safra, a “safrinha”. 

Tecnologias para o milho safrinha  

Com todo esse movimento, técnicas e tecnologias se desenvolveram para potencializar esse plantio, de forma que ele pudesse gerar mais produtividade. 

O milho de segunda safra, hoje, é semeado bem cedo, logo após a colheita da cultura de verão. Dessa forma, os riscos da redução da disponibilidade de água (a seca) são menores, possibilitando uma colheita mais rica. 

Além disso, houve o desenvolvimento de híbridos, sementes mais resistentes para esse período de cultivo e também às características do solo. 

Por fim, tecnologias da agricultura 4.0, como sistemas que rastreiam a qualidade do solo e também as condições climáticas, permitem que essa produtividade seja aumentada. 

E aí, sabia todas essas informações? Aproveite para acessar o blog da Rech e conferir muito mais conteúdos do Mundo Agro.

Visited 705 times, 1 visit(s) today

Ficou interessado? Fale com a gente!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

CONTEÚDO RELACIONADO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *